Sobre Nós

A consciência de classe é necessária pra falar de vacinas, de máscaras e de medidas de prevenção. Sem ela a gente não consegue atingir todos os lugares, nem informar e auxiliar a população. Diante das diversas ausências e urgências surgidas durante o enfrentamento da pandemia, atenuadas em locais periféricos do RJ, viabilizar e conscientizar o uso da PFF2/N95 nos uniu como uma tentativa de atenuar danos, acolher pessoas e de ajudar a proteger vidas. O site é, então, uma extensão da nossa compreensão da realidade do país, que mobiliza a inquietude das nossas ações, e o desejo de alcançar e colaborar com outros grupos iguais a NÓS.

O Onde Tem Máscara baseia-se na criação de uma rede onde cada nó se apoia para levar à população informação e medidas de proteção não-farmacológicas defendidas pela CIÊNCIA. Mas não negamos também que nosso projeto é um ato POLÍTICO. Aqui você entende mais como CIÊNCIA e POLÍTICA guiam os nossos passos.

Ciência

Mais de um ano depois do início da pandemia, sabemos mais sobre como a doença se espalha. Acreditava-se que a principal forma de transmissão do coronavírus era via gotículas de saliva, como na gripe. Por isso, nos acostumamos a usar protocolos voltados para a gripe, como máscaras cirúrgicas, álcool em gel e limpeza de superfícies. No entanto, tem se tornado consenso no meio científico que a transmissão do vírus da covid-19 se dá, na enorme maioria das vezes, pelo ar, quando respiramos partículas minúsculas que podem ficar suspensas no ar por vários minutos. Neste caso, máscaras de tecido e cirúrgicas, apesar de melhores do que nenhuma proteção, ainda nos deixam vulneráveis.

Aqui entra a máscara PFF. Sigla para peça facial filtrante, a PFF usa uma barreira física (as bordas se fecham sobre o rosto, não deixando espaço pro ar escapar fora do filtro) e uma barreira eletrostática (o material é feito com uma trama que “atrai” o vírus, impedindo-o de ser aspirado). Por causa da presença de variantes mais transmissíveis e da não implementação de medidas eficazes de isolamento social, modelo PFF2, já usado com segurança por profissionais de saúde na linha de frente, tem sido recomendado também para a população geral, especialmente em momentos em que é difícil evitar aglomerações, como no transporte público. Por isso defendemos a ampliação do acesso à PFF2, e criamos esta plataforma para juntar quem também quer torná-la uma política pública de enfrentamento à pandemia.

Política

Depois de mais de um ano, também pudemos perceber que o poder público, nos três níveis, adotou uma postura hesitante, quando não de confronto às melhores recomendações da ciência para conter o vírus. O resultado são 500 mil mortos até o momento. Sabemos que, para conter a covid-19, é necessário impor medidas de isolamento com proteção à população, especialmente a mais vulnerável. Também sabemos que é preciso acelerar a vacinação para atingirmos a imunidade coletiva. Temos conhecimento, temos ímpeto, temos humildade para aprender e para dialogar. Mas quem tem os meios para proteger, de fato, a população é o poder público. E o poder público está falhando. Enquanto isso, nós fazemos o que está ao nosso alcance.

Portanto, o Onde Tem Máscara (e as iniciativas independentes que estão listadas aqui) preenche o vácuo deixado por diversas instâncias de governo, mostra à população não só que algo pode ser feito como já está sendo feito. Torcemos para que nosso trabalho deixe de ser necessário no futuro. Mas não vamos ficar só na torcida. Estamos cobrando.

Onde Tem Máscara na Imprensa